Chamada para dossiê Turismo, Industrias e Cidades Criativas e as Novas Economias

Chamada para o Dossiê

 Turismo, Industrias e Cidades Criativas e as Novas Economias

Organização

Isabella Perrotta (ESPM-Rio)

Valéria Guimarães (UFF)

 

Submissão de trabalhos até 31/10

Publicação fevereiro/março de 2022

 

De que forma as atividades ligadas à arte, à cultura, à criatividade e à comunicação servem ou poderiam servir como recursos para a promoção do turismo? De que forma as novas economias ajudam a construir um turismo mais sustentável?

 

O dossiê Turismo, Industrias e Cidades Criativas e as Novas Economias pretende reunir trabalhos – de produção teórica, análise de casos ou relatos de experiência – que discutam a interação das indústrias criativas e das novas economias com o turismo.

 

Entende-se por Industrias Criativas as atividades que se utilizam do talento, da criatividade, do conhecimento cultural e da propriedade intelectual como recursos para produzir bens e serviços. Em geral, estão associadas a atividades produtivas modernas, como o design, a moda, a publicidade, o cinema, o show business, as novas mídias e as linguagens digitais, entre outras.

 

A mensuração e capitalização dos recursos gerados por estas indústrias, e também pelos segmentos de cultura, patrimônio e outros bens intangíveis, é da alçada da Economia Criativa, que muito se mistura com a ideia de Economia da Cultura – aquela que busca a utilização da lógica econômica, e da sua metodologia, para o setor cultural, ressaltando sua capacidade de geração de empregos e renda. Ambas podem ser entendidas no bojo das Novas Economias, onde também estão a Economia Colaborativa e a Economia Compartilhada, entre outras que olham a geração de riqueza como forma a contribuir para o desenvolvimento sustentável (ambiental, econômico e social).

 

Ainda sob o espectro da criatividade, da cultura e do desenvolvimento sustentável, cabe mencionar as Cidades Criativas, que são aquelas que reconhecem a criatividade como estratégica para a regeneração e o desenvolvimento urbano. Desde 2004, a UNESCO criou uma Rede de Cidades Criativas – classificadas de acordo com sete áreas temáticas: Artesanato e Artes Folclóricas, Design, Filme, Gastronomia, Literatura, Artes Midiáticas e Música –, com o objetivo de promover a cooperação internacional e incentivar o compartilhamento de experiências e recursos para promover o desenvolvimento local por meio da cultura e da criatividade. As cidades assim chanceladas não apenas reúnem setores das indústrias criativas, mas fazem uso de experiências e soluções criativas para solução de problemas do contexto urbano, sendo capazes de desenvolver a autoestima de seus habitantes.

 

Finalmente, no momento em que o mundo tenta voltar à sua normalidade, as soluções criativas tornam-se recursos essenciais. De que forma o turismo está se valendo delas?

 

A revista aceita trabalhos originais e inéditos, de autoria individual ou coletiva, de doutores e mestres, sob a forma de artigos científicos, entrevistas e resenhas. Mestrandos e graduandos devem submeter trabalhos em co-autoria com doutores. Normas de submissão em:

http://dialogo.espm.br/index.php/revistadcec-rj/about/submissions#onlineSubmissions