A evolução do motion graphics: da narrativa do cinema para a autonomia audiovisual

Raphael Guaraná Sagatio

Resumo


O modo como consumimos informações visuais é alterado dia a dia pela hibridização de conceitos e formas de comunicação. Hoje, praticamente todos os dispositivos audiovisuais trabalham com animações rápidas carregadas de informações e um critério estético. Essas animações são conhecidas como motion graphics. Objetivando traçar as raízes do motion graphics e seu atual contexto de utilização, formulamos nosso objeto de pesquisa e identificamos que usa origem parte do hibridismo entre diversos pressupostos teóricos nos campos do cinema onde citamos MACHADO (2010) e RANCIÈRE (2014), no design, utilizando autores como FRASCARA (2004) e KRASNER (2008) e da comunicação visual com CHOMSKY (1960) e DONDIS (1997). Com isso, criamos um panorama onde analisamos os principais processos que tornaram possível a transposição do motion graphics do cinema para a atual linguagem visual. O presente artigo propõe apresentar a conclusão da dissertação intitulada “A evolução do motion graphics: da narrativa do cinema para a autonomia audiovisual” no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal da Paraíba, 2018. Com essa análise, pretendemos ilustrar que o uso do motion graphics pode ser empregado amplamente tanto com função estética quanto informacional, respondendo a desafios propostos. Com isso, podemos ter a compreensão do que é e como funciona o motion graphics na linguagem onde a produção de sentidos e signos comunicacionais ampliam com essa dinâmica de mídias híbridas.

Texto completo:

PDF

Referências


AICHER, Otl. The world as Design. Berlim: Ernst & Sohn, 2015.

CATALÀ, Josep M. A forma do real. Introdução aos estudos visuais. São Paulo: Summus, 2011.

CHOMSKY, Noam. Reflexões Sobre a Linguagem. São Paulo. Cultrix. 1980 DONDIS, Dondis A. A Sintaxe da linguagem visual. 2º ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

FRASCARA, Jorge. Communication Design: Principles, Methods, and Practice. Nova Iorque. Allworth Press, 2004.

GOMES FILHO, João. Gestalt do Objeto. 9. ed. São Paulo: Editora Escrituras, 2008.

KRASNER, Jon S. Motion graphic design: applied history and aesthetics. Nova Iorque: Focal Press, 2008.

MACHADO, Arlindo. Arte e mídia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 2010.

MACLUHAN, Marshall, A Galáxia de Gutenberg. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1972.

MANOVICH, Lev. Deep Remixability. Artfact. Vol 1, No 2, Indiana, 2007. Disponível em https://scholarworks.iu.edu/journals/index.php/artifact/article/view/1358/ Acesso em 20 mai. 2019

NIEMEYER, Lucy. Elementos da semiótica aplicados ao design. Rio de Janeiro: 2AB, 2003

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014.

VELHO, João. Motion Graphics: linguagem e tecnologia - anotações para uma metodologia de análise. 2008. Dissertação (Mestrado em Design).




DOI: http://dx.doi.org/10.22398/2525-2828.411156-176

A Revista está listada nos seguintes indexadores e repositórios:

LATINDEX: https://www.latindex.org

PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES: http://www.periodicos.capes.gov.br

DOAJ - https://goo.gl/f862GM

Diadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras - http://diadorim.ibict.br/handle/1/1649

Sumarios.org - https://goo.gl/AJe9GY

LatinREV - Rede Latinoamericana de revistas acadêmicas do campo das ciências sociais e humanidades - http://flacso.org.ar/latinrev/ 

REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico) - https://www.redib.org/

       

____________

ESPM Rio
Rua do Rosário 90 - Centro - Rio de Janeiro - 20.041-002 - RJ
revistadcec-rj@espm.br
ISSN 2525-2828 

 

Licença Creative Commons

A Diálogo com a Economia Criativa está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.