Repair Café como resposta social aos efeitos deletérios da obsolescência programada

Rafael de Almeida Martarello

Resumo


O fenômeno de obsolescência programada que tem sido o principal indutor do consumo na atual dinâmica mercantil e traz consigo um conjunto de efeitos negativos intrínsecos que alcançam dimensões de caráter ambiental e econômica, afeta, inclusive, a organização social e a própria saúde pública. Este trabalho objetiva examinar o Repair Café como uma experiência social de oposição frente a este fenômeno. Para isto é realizado um estudo exploratório-descritivo com abordagem qualitativa, por sua vez, os procedimentos técnicos utilizados foram pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e estudo de caso. Ao retratar criticamente as implicações da prática este estudo aponta o Repair Café como uma viável forma de resistência e repressão à prática de obsolescência programada.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, R. Muito além da economia verde. São Paulo: Abril, 2012.

BOFF, L. Sustentabilidade: o que é - o que não é. Rio de Janeiro: Vozes, 2013.

BRÜSEKE, F. O problema do desenvolvimento sustentável. In: CAVALCANTE, Clovis. (Org.). Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. São Paulo: Cortez, 1995, p. 29-40.

CHARTER, M.; KEILLER, S. Grassroots innovation and the circular economy: a global survey of Repair Cafés and hackerspaces. Farnham: University for the Creative Arts, 2014 19 p.

COOPER, T. Slower consumption – Reflections on product life spans and the “throwaway society. Journal of Industry Ecology. v. 9, n. 1-2. 51-68 p. 2005.

CORNETTA, W. A obsolescência como artifício usado pelo fornecedor para induzir o consumo a realizar compras repetitivas de produtos e a fragilidade do CDC para combater esta prática. 2016. 187 p. Tese (Doutorado em Direito) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Mais da metade dos equipamentos eletrônicos é substituída devido a obsolescência programada. Disponível em: Acesso em: 06 de Jun. 2018.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. PNAD Contínua. Acesso à internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal (Análise de Resultados). 2016. Disponibilidade em: acesso em: 26 Dez. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Síntese dos indicadores. 2015

Disponibilidade em: acesso em: 26 Dez. 2019.

LEFF, E. Ecologia, capital e cultura: a territorialização da racionalidade ambiental. Petrópolis: Vozes, 2009.

LEONARD, A. The story of stuff: Referenced and annotated script. Disponível em: Acesso em: 24 Jan. 2018.

OLIVEIRA, N. Endividamento das famílias cresce e atinge 58,2%. 28 Set. 2016. Agência Brasil. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-09/endividamento-das-familias-cresce-e-atinge-582 Acesso em: 20 Jan.2018.

PACKARD, V. O. Estrategia do desperdício. São Paulo: IBRASA, 1965.

PORTAL UOL. Brasileiro é o que mais consome produtos eletrônicos no mundo. Disponível em: Acesso em: 06 de Jun. 2018.

PORTO-GONÇALVES, C. W. O desafio ambiental. Rio de Janeiro: Record, 2012.

REIS, M. O comportamento de compra face à obsolescência planificada. Dissertação de Mestrado, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, 2012.

REPAIR CAFÉ. Jaarverslag 2017. Relatório Anual. Amsterdã: Fundação Repair Café, 2017. Disponível em: < https://repaircafe.org/wp-content/uploads/2018/06/Jaarverslag_2017_webversie.pdf > Acesso em: 06 de Jun. 2018.

______. Jaarverslag 2016. Relatório Anual. Amsterdã: Fundação Repair Café, 2016. Disponível em: < https://repaircafe.org/wp-content/uploads/2017/06/Jaarverslag_2016_webversie.pdf > Acesso em: 06 de Jun. 2018.

SLADE, G. Make to break: technology and obsolescence in America. London: Havard University Press, 2007.

STAHEL, A Capitalismo e entropia: os aspectos ideológicos de uma contradição e a busca de alternativas sustentáveis. In: CAVALCANTI, Clóvis. (Org.) Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. São Paulo: Cortez, 1995, p. 104-127.




DOI: http://dx.doi.org/10.22398/2525-2828.51445-57

A Revista está listada nos seguintes indexadores e repositórios:

LATINDEX: https://www.latindex.org

PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES: http://www.periodicos.capes.gov.br

DOAJ - https://goo.gl/f862GM

Diadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras - http://diadorim.ibict.br/handle/1/1649

Sumarios.org - https://goo.gl/AJe9GY

LatinREV - Rede Latinoamericana de revistas acadêmicas do campo das ciências sociais e humanidades - http://flacso.org.ar/latinrev/ 

REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico) - https://www.redib.org/

____________

ESPM Rio
Rua do Rosário 90 - Centro - Rio de Janeiro - 20.041-002 - RJ
revistadcec-rj@espm.br
ISSN 2525-2828 

 

Licença Creative Commons

A Diálogo com a Economia Criativa está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.