Aplicativos colaborativos como reflexos da economia criativa e da cultura participativa

Cristiano Max Pereira Pinheiro, Débora Wissmann

Resumo


Este trabalho tem como tema a relação entre a economia criativa e a cultura participativa, buscando identificar quais de suas características convergem em aplicativos colaborativos. Tem o aplicativo Colab como objeto de estudo, uma ferramenta para incentivar o cidadão a fiscalizar os problemas da cidade, propor melhorias e avaliar espaços e serviços públicos. Por meio dos procedimentos de pesquisa documental, em uma perspectiva de visualizar o aplicativo como documento, e a pesquisa bibliográfica, que apresenta como principais autores Howkins (2013) e Jenkins (2009), este trabalho – essencialmente descritivo – identificou como principais características da economia criativa e da cultura participativa que convergem nos aplicativos colaborativos (a) o poder ao cidadão proporcionado pela tecnologia, (b) o estímulo ao desenvolvimento de novas ideias, (c) a circulação do conteúdo dependente da participação ativa dos consumidores, (d) a maneira de trabalhar em conjunto em um software para a solução de problemas da vida real e (e) o esforço concentrado realizado na colaboração.


Texto completo:

PDF

Referências


CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2012. 698 p.

COLAB. Blog O portal da cidadania. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2015.

_______. Colab. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2015.

_______. Relatório de 2 anos de colaboração dos cidadãos nas cidades do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2015.

DE MASI, Domenico. Criatividade e grupos criativos. V. 2. Rio de Janeiro: Sextante, 2005. 320 p.

DEHEINZELIN, Lala. Economia Criativa e métodos para dar uma mão ao futuro. REDIGE, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 343-360, agosto de 2011.

FLORIDA, Richard. A ascensão da classe criativa... e seu papel na transformação do trabalho, do lazer, da comunidade e do cotidiano. Porto Alegre: L&PM Editores, 2011. 434 p.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008. 200 p.

GITAHY, Yuri. O que é um startup? Disponível em: . Acesso em: 27 jul. 2015.

HOWKINS, John. Economia Criativa: como ganhar dinheiro com ideias criativas. São Paulo: M.Books, 2013. 272 p.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009. 428 p.

LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Editora Loyola, 1999. 212 p.

MCGONIGAL, Jane. A realidade em jogo. Rio de Janeiro: Best Seller, 2012. 378 p.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013. 276 p.

SIMONTON, Dean Keith. Creativity: Cognitive, personal, developmental, and social aspects. American Psychologist, v. 55(1), p. 151-158, janeiro de 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.22398/2525-2828.61679-90

A Revista está listada nos seguintes indexadores e repositórios:

LATINDEX: https://www.latindex.org

PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES: http://www.periodicos.capes.gov.br

DOAJ - https://goo.gl/f862GM

Diadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras - http://diadorim.ibict.br/handle/1/1649

Sumarios.org - https://goo.gl/AJe9GY

LatinREV - Rede Latinoamericana de revistas acadêmicas do campo das ciências sociais e humanidades - http://flacso.org.ar/latinrev/ 

REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico) - https://www.redib.org/

____________

ESPM Rio
Rua do Rosário 90 - Centro - Rio de Janeiro - 20.041-002 - RJ
revistadcec-rj@espm.br
ISSN 2525-2828 

 

Licença Creative Commons

A Diálogo com a Economia Criativa está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.