A emergência do ethos criativo como tendência sociocultural na contemporaneidade

Paula Cristina Visoná

Resumo


O presente artigo propõe uma abordagem sobre a importância da identificação de tendências socioculturais para o desenvolvimento de memórias do futuro – visões que sirvam para fundamentar cenários levando em conta o desenvolvimento de áreas circunscritas a Economia e a Indústria Criativa. Para tanto, partimos do princípio de que tendências surgem de ideias, e que essas permeiam vozes-consciência no cotidiano social, configurando-se como sensibilidades que emergem a partir de interações interpessoais. Para desenvolver esses aspectos, iremos abordar a imanência do éthos criativo como uma tendências sociocultural na atualidade, sendo que sua emergência é decorrente de outra sensibilidade social – e, por que não? – tendência sociocultural atual, a criatividade.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências bibliográficas

BAKHTIN, M. Problemas na poética de Dostoiévski. 4.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7.ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BERGER, P.L., THOMAS, L. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 2009.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 11.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

BRITISH COUNCIL. A economia criativa: um guia introdutório. Série Economia Criativa e Cultural/1. Londres: British Council, 2010.

CALDAS, D. Observatório de sinais: teoria e prática da pesquisa de tendências. Rio de Janeiro: Editora Senac, 2004.

__________. Comunicación y Poder. Madrid: Alianza Editorial, 2009.

CERTEAU, M. de, A invenção do cotidiano: 1 artes do fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

DE MASI, D. Criatividade e grupos criativos: descoberta e invenção. Vol. 1. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

ECO, U. Os limites da interpretação. 2 ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2012.

FLORIDA, R. A ascensão da classe criativa. Porto Alegre: L&PM Editores, 2011.

FLUSSER, V.; CARDOSO, R. (Org.). O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Loyola, 2008.

GARNHAM, N. De las industrias culturales a las creativas. Análisis de las implicaciones en el Reino Unido. In: Las Industrias Creativas: Amenazas sobre la cultura digital. Ed.: Enrique Bustamente, 1 ed. Barcelona: Gedisa Editorial, 2011.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2008.

HORKHEIMER, M. & ADORNO, T.W. A Indústria Cultural: o iluminismo como mistificação de massas. In: LIMA, L. C. Teoria de cultura de massa. São Paulo, Paz e Terra, 2002.

LYOTARD, J.F. A condição pós moderna. 7 ed. Fortaleza: José Olympio, 2002.

MAFFESOLLI, M. O conhecimento comum. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.

_______________. O tempo das tribos. 3.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

_______________. O tempo retorna: formas elementares da pós-modernidade. Rio De Janeiro, Forense, 2012.

MASSONNIER, V. Tendencias de mercado: están pasando cosas. Buenos Aires: Ediciones Granica, 2008.

MATTELART, A. e M. História das teorias da comunicação. 8 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

McCRAKEN, G. Cultura e Consumo: novas abordagens ao caráter simbólico dos bens e das atividades de consumo. Rio de Janeiro, Mauad Editora Ltda., 2010a.

_______________. Chief Culture Officer. Un drectivo orientado a la cultura. Cómo crear una empresa vital y exitosa. México: Editorial Oceáno, 2010b. Edição Kindle.

MIGUEZ, P. Economia criativa: uma discussão preliminar. In: Teorias e políticas da cultura: visões multidisciplinares. MARCHIORI, G. (org.). Salvador: EDUFBA, 2007.

NIETZSCHE, F. A origem da tragédia. São Paulo: Ed.Centauro, 2004.

REIMÃO, S. Teoria ou teorias da comunicação. In: Revista INTERCOM, v. 17, nº 2. São Paulo, jul/dez. 1994.

SIMMEL, G. Questões fundamentais da sociologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

SANTAELLA, L. Linquagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus, 2007.

TREMBLAY, G. Desde la teoria de las industrias culturales. Evaluación critica de la economia de la creatividad. In: Las Industrias Creativas: Amenazas sobre la cultura digital. Ed.: Enrique Bustamente, 1 ed. Barcelona: Gedisa Editorial, 2011.

VAN DER HEIJDEN, K. Cenários: a arte da conversação estratégica. Porto Alegre: Bookman, 2004.

VERGANTI, R. Design – driven innovation. Mudar as regras da competição: a inovação do significado de produtos. 2 ed. São Paulo: Canal Certo, 2012.

UNCATD. Relatório de economia criativa 2010: economia criativa, uma opção de desenvolvimento. – Brasília: Secretaria da Economia Criativa/Minc; São Paulo: Itaú Cultural, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.22398/2525-2828.2683-101

A Revista está listada nos seguintes indexadores e repositórios:

LATINDEX: https://www.latindex.org

PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES: http://www.periodicos.capes.gov.br

DOAJ - https://goo.gl/f862GM

Diadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras - http://diadorim.ibict.br/handle/1/1649

Sumarios.org - https://goo.gl/AJe9GY

LatinREV - Rede Latinoamericana de revistas acadêmicas do campo das ciências sociais e humanidades - http://flacso.org.ar/latinrev/ 

REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico) - https://www.redib.org/

       

____________

ESPM Rio
Rua do Rosário 90 - Centro - Rio de Janeiro - 20.041-002 - RJ
revistadcec-rj@espm.br
ISSN 2525-2828 

 

Licença Creative Commons

A Diálogo com a Economia Criativa está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.