Uma análise sobre a experiência do consumo e produção em dois empreendimentos criativos da moda

Luiza Silva Calado, Elaine Perdigão

Resumo


O presente artigo pretende analisar a experiência do consumo, representada na Moda, à luz das reflexões dos sociólogos Simmel e Bauman, no que tange ao individualismo e suas expressões no comportamento do consumidor e na lógica da produção, transformada nos últimos anos pelos empreendedores da Economia Criativa. A Moda, intimamente relacionada com os valores e os pensamen

tos de uma sociedade, se atualiza na contemporaneidade e, a reboque, práticas de consumo são ressignificadas em novas experiências individuais mais autorais e criativas. Neste contexto, com o fortalecimento da Economia Criativa em diversos países do mundo e aqui no Brasil, podemos perceber que muitos profissionais estão criando pequenos negócios que fazem a união entre “fazer o que se deve” e “fazer o que se gosta”. Empreendedores criativos ligados ao setor da Moda, por exemplo, estão idealizando empresas socialmente responsáveis, sustentáveis e que promovem a produção e o consumo conscientes. Esse é o caso de dois empreendimentos em São Paulo que, além de adotarem o upcycling como diferencial produtivo para gerar um impacto positivo no meio ambiente, praticam uma relação justa de trabalho e de valorização de suas costureiras. A abordagem metodológica utilizada no artigo é do tipo qualitativa com foco na revisão bibliográfica e pesquisa telematizada.


Texto completo:

PDF

Referências


AKATU. Pesquisa Akatu 2018 traça Panorama do Consumo Consciente no Brasil. Disponível em: https://www.akatu.org.br/noticia/pesquisa-akatu-2018-traca-panorama-do-consumo-consciente-no-brasil/. Acesso em: 12 out. 2018.

BAUMAN, Zygmunt. A cultura no mundo líquido moderno. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2013.

BAUMAN, Zygmunt. “Muitas Culturas, uma Humanidade?” In: Comunidade – A Busca por Segurança no Mundo Atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001, PP. 112-128.

BAUMAN, Zygmunt. O amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge BAUMAN, Zygmunt. Zahar Editor, 2004.

BENDASSOLLI, Pedro F. et al. Indústrias criativas: definição, limites e possibilidades. RAE, v. 49, n. 1, p. 10-18, 2009.

BENDASSOLLI, Pedro F.; WOOD JR., Thomaz. O paradoxo de Mozart: carreiras nas indústrias criativas. Organizações & Sociedade, v. 17, n. 53, p. 259-277, abr./jun. 2010.

BRAUNGART, Michael; MCDONOUGH, William. Cradle to Cradle: criar e reciclar ilimitadamente. 1. ed. São Paulo: Editora G. Gili, 2013.

BÜLL, Patrícia. Ela contrata ex-presidiárias e faz Moda com tecido com defeito e que sobrou. UOL Economia [Portal de notícias], 19 abr. 2018. Disponível em: https://economia.uol.com.br/empreendedorismo/noticias/redacao/2018/04/19/joaquina-brasil-vestuario-sobras-tecido-costureiras-ex-presidiarias.htm. Acesso em: 11 maio 2018.

CARVALHO, Rodrigo; BERLIM, Lilyan. Novos modelos de negócios e inovação na indústria da Moda e as grandes cidades. In: FIGUEIREDO, João; JESUS, Diego (org.). Cidades criativas: aspectos setoriais e territoriais. 1. ed. Rio de Janeiro: E-papers, 2017. p. 89-114.

COMAS. [Site institucional]. Disponível em . Acesso em: 11 maio 2018.

(MINC) Ministério da Cultura. Plano da Secretaria da Economia Criativa: políticas, diretrizes e ações, 2011 – 2014. Brasília: Ministério da Cultura, 2012.

FIGUEIREDO, João. Economia Criativa, cidade criativa e desenvolvimento. In: Economia Criativa / organização Eduardo Ariel de Souza Teixeira, Sílvia Borges Corrêa. 1. ed. Rio de Janeiro: E-papers, 2015. p. 27-47.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO RIO DE JANEIRO – FIRJAN. Mapeamento da indústria criativa no Brasil. Rio de Janeiro: FIRJAN, 2019.

FLORIDA, Richard. A ascensão da classe criativa: e seu papel na transformação do trabalho, do lazer, da comunidade e do cotidiano. Porto Alegre: L&PM EDITORES, 2011.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002.

HOWKINS, J. Economia Criativa – Como ganhar dinheiro com ideias criativas. São Paulo: M. Books, 2013.

JESUS, Diego. Criando, inovando e excluindo: gênero e poder na Economia Criativa. In: XII CONAGES - Colóquio Nacional: Representações de Gênero e Sexualidades, 2016, Campina Grande (Artigo).

JESUS, Diego; KAMLOT, Daniel. Economia criativa e políticas públicas. Curitiba: Prismas, 2016.

KRZNARIC, R. Como encontrar o trabalho da sua vida. 1. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

LEMOS, Haroldo. Responsabilidade Sócio-ambiental. Apostila do curso de Gerenciamento de Projetos no Terceiro Setor. FGV Managment, 2014.

SIMMEL, G. “A metrópole e a vida mental”. In: VELHO, O. (org.). O Fenômeno Urbano. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1967.

SIMMEL, Georg. Filosofia da Moda e outros escritos. Lisboa: Edições Texto & Grafia Lda, 2008.

TANJI, Thiago. Escravos da Moda: os bastidores nada bonitos da indústria Fashion. Revista Galileu [Site], 23 jun. 2016. Disponível em: https://revistagalileu.globo.com/Revista/noticia/2016/06/escravos-da-Moda-os-bastidores-nada-bonitos-da-industria-Fashion.html. Acesso em: 11 maio 2018.

VERGARA, Sylvia C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2004.

UNCTAD. Creative Economy Report 2008 – The challenge of assessing the creative economy: towards informed policy making. Nova York: UNDP – UNCTAD, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.22398/2525-2828.5136-17

A Revista está listada nos seguintes indexadores e repositórios:

LATINDEX: https://www.latindex.org

PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES: http://www.periodicos.capes.gov.br

DOAJ - https://goo.gl/f862GM

Diadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras - http://diadorim.ibict.br/handle/1/1649

Sumarios.org - https://goo.gl/AJe9GY

LatinREV - Rede Latinoamericana de revistas acadêmicas do campo das ciências sociais e humanidades - http://flacso.org.ar/latinrev/ 

REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico) - https://www.redib.org/

____________

ESPM Rio
Rua do Rosário 90 - Centro - Rio de Janeiro - 20.041-002 - RJ
revistadcec-rj@espm.br
ISSN 2525-2828 

 

Licença Creative Commons

A Diálogo com a Economia Criativa está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.