Processo criativo em moda: redes de colaboração entre microempreendedores individuais gaúchos

Cristiano Max Pereira Pinheiro, Serje Schmidt, Dusan Schreiber, Milena Cherutti

Resumo


A competitividade de mercado ressalta a importância em estreitar laços entre empresas parceiras, de forma que, quanto mais fortes os vínculos organizacionais de troca, maiores as implicações de lucratividade bilateral, servindo, também, como fonte de vantagem competitiva. Este estudo admite como temática as estratégias de redes de colaboração e a sua influência no processo criativo no âmbito da moda. Enquanto problema de pesquisa, tem-se como a colaboração afeta o processo criativo de microempreendedores individuais da moda gaúcha? De forma a responder a essa questão, propõe-se duas hipóteses, a) através da troca de experiências e parcerias entre microempreendedores individuais do mesmo segmento, visando o crescimento mútuo em estratégias complementares, como participação em feiras e eventos de moda, colaboração de processos, entre outros ou; b) a partir da estratégia de cocriação, com participação direta do público-alvo, clientes e consumidores da marca auxiliando no processo de criação de novos produtos, visando maior assertividade. No que diz respeito ao objetivo geral deste trabalho, consiste em compreender como as redes de colaboração afetam o processo criativo em MEIs no âmbito da moda. Como método, os autores optaram por uma pesquisa aplicada, por meio de uma pesquisa de campo, realizando uma entrevista com um microempreendedor de moda, para obter dados empíricos e, também, documental, para assim, responder ao problema do estudo. A partir desta entrevista, pôde-se perceber que as redes de colaboração são importantes para microempreendedores por meio da realização de parcerias que auxiliam, principalmente, na divulgação das marcas para que, assim, cresçam juntas.


Texto completo:

PDF

Referências


BORNIGER, Camila. A CRIATIVIDADE NO PROCESSO PRODUTIVO DAS INDÚSTRIAS DO SEGMENTO CALÇADISTA DA MODA. Dissertação (Mestrado em Indústria Criativa) – Universidade Feevale, Novo Hamburgo/RS, 2016.

CHAGAS, Bárbara Alves. O marketing de moda e tendências de diferenciação competitiva das marcas. Revista ModaPalavra e-Periódico. vol.8, n.15, jan./jul 2015.

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Absorptive Capacity: A New Perspective on Learning and Innovation. Administrative Science Quarterly, v. 35, n. 1, p. 128-152, 1990.

DE MASI, Domenico. Criatividade e grupos criativos. Rio de Janeiro, RJ: Sextante, 2003.

DYER, Jeffrey H.; SINGH, Harbir. The Relational View: Cooperative Strategy and Sources of Interorganizational Competitive Advantage. The Academy of Management Review, v. 23, n. 4, 1998.

GRZIWINSKI, Darlan Santos; MARTINS, Tiago Costa. Perspectivas do Microempreendedor Individual em Indústria Criativa na Região das Missões. In: 2º Seminário Nacional de Desenvolvimento Regional: desafios para o século XXI, 2018, Taquara/RS. 2º Seminário Nacional de Desenvolvimento Regional: desafios para o século XXI - Anais, 2018.

GULATI, R.; NOHRIA, N.; ZAHEER, A. Strategic Networks. Strategic Management Journal, v. 21, n. 3, p. 203, 2000.

JONES, Sue Jenkyn. Fashion design. [3. ed., rev. ampl.]. São Paulo, SP: Cosac Naify, 2011.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. [30. ed.]. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani César. Metodologia do Trabalho Científico [recurso eletrônico]: Métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RODRIGUES, Alice Vieira. DO FAST FASHION AO SEE NOW, BUY NOW: UMA ANÁLISE DOS MOVIMENTOS SOB A PERSPECTIVA DA INDÚSTRIA CRIATIVA NA ÁREA DA MODA. Dissertação (Mestrado em Indústria Criativa) – Universidade Feevale, Novo Hamburgo/RS, 2017.

SEBRAE (2019). Disponível em: http://www.sebrae.com.br/. Acesso em: 07 out. 2019.

VERSCHOORE, J. R.; BALESTRIN, A. Fatores relevantes para o estabelecimento de redes de cooperação entre empresas do Rio Grande do Sul. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 12, n. 4, p. 1043-1069, dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2018.

ZAHEER, A.; VENKATRAMAN, N. Relational governance as an interorganizational strategy: an empirical test of the role of trust in economic exchange. Strategic Management Journal [S.I.], v. 16, n. 5, p. 373-392, 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.22398/2525-2828.51425-44

A Revista está listada nos seguintes indexadores e repositórios:

LATINDEX: https://www.latindex.org

PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES: http://www.periodicos.capes.gov.br

DOAJ - https://goo.gl/f862GM

Diadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras - http://diadorim.ibict.br/handle/1/1649

Sumarios.org - https://goo.gl/AJe9GY

LatinREV - Rede Latinoamericana de revistas acadêmicas do campo das ciências sociais e humanidades - http://flacso.org.ar/latinrev/ 

REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico) - https://www.redib.org/

____________

ESPM Rio
Rua do Rosário 90 - Centro - Rio de Janeiro - 20.041-002 - RJ
revistadcec-rj@espm.br
ISSN 2525-2828 

 

Licença Creative Commons

A Diálogo com a Economia Criativa está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.