Consumo de música: um estudo de marketing geracional

Geovane Ferreira Gomes, Alessandra Baiocchi Antunes Corrêa, Luís Alexandre Grubits de Paula Pessôa

Resumo


Os recentes avanços tecnológicos proporcionaram grandes mudanças na indústria da música. Ao mesmo tempo em que o acesso a diferentes gêneros de música e artistas tornou-se mais rápido e fácil pela distribuição digital, a pirataria ainda representa uma grande ameaça ao setor. Neste cenário, o presente estudo investiga o consumo dos diversos formatos de distribuição de música, tais como CDs, DVDs, programas de streaming, entre outros, por consumidores das gerações X e Y.


Texto completo:

PDF

Referências


ABPD (Associação Brasileira de Produtores de Discos). O mercado de música brasileira 2014. Rio de Janeiro, 2015 Disponível em: . Acesso em: 6

set. 2015.

APPLE. iTunes music store downloads top half a billion songs. Cupertino, CA, 2005. Disponível em:. Acesso em: 6 set. 2015.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BORGES, V. Novos modelos de produção musical e consumo: um estudo sobre as mudanças ocorridas com o advento das plataformas digitais. Niterói, 2011. Dissertação (Mestrado em Ciência da Arte) - Departamento de Ciência da Arte: Universidade Federal Fluminense.

CARVALHO, J. H. D. de. A publicidade nas redes sociais e a geração Y: a emergência de novas formas de comunicação publicitária. Revista Negócios em Projeção, Brasília, v. 2, n. 2, p.91-105, jul. 2011.

CROWL, H. A criação musical erudita e a evolução das mídias: dos antigos 78rpms à era pós-CD.

In: PERPETUO, Irineu Franco; SILVEIRA, Sérgio Amadeu da (Org.). O futuro da música depois da

morte do CD. São Paulo: Momento Editorial, 2009. p. 143-157.

ELGERSE, A.; SMITH, S. Beyoncé. Cambridge: Harvard Business School, 2014. (HBS Case Collection).

EONLINE. Taylor Swift bate recorde com primeira semana de venda de 1989. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: . Acesso em: 7 set. de 2015.

ÉPOCA. Taylor Swift x Spotify: como artistas lidam com a mudança da indústria audiofônica. Rio de Janeiro, 2014 Disponível em:

como-artistas-lidam-com-mudança-da-industria-audiofonica.html>. Acesso em: 7 set. 2015.

ESTADÃO. Pirataria musical movimenta US$ 4,5 bilhões. São Paulo, 2004. Disponível em:

www.estadao.com.br/noticias/geral,pirataria-musical-movimenta-us-4-5-bilhoes,20040722p56903>. Acesso em: 7 out. 2015.

GENES, F.; CRAVEIRA, R.; PROENÇA, A. Inovações tecnológicas na cadeia produtiva da música no século XXI. Sistemas & Gestão, [s.l.], v. 7, n. 2, p.174-191, 2012.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GOMES, K. M. C.; AZEVEDO, L. R.; PEÇANHA, W. A. Design retrô e marketing do saudosismo: influência da tendência nostálgica no comportamento do consumo. Rio de Janeiro, 2014. Monografia para Especialização em Gestão, Design e Marketing – Departamento de Design: Instituto Federal Fluminense.

GOMES, R. M. Do fonógrafo ao MP3: algumas reflexões sobre música e tecnologia. Revista Brasileira de Estudos da Canção, n.5, p. 73-82, 2014.

HOWE, N.; STRAUSS, W. Generations: the history of America’s Future, 1584 to 2069. New York: Harper Perennial, 1992.

IFPI (International Federation of The Phonographic Industry). IFPI Digital Music Report. Londres, 2010. Disponível em: . Acesso em: 6 de set. 2015.

KIKKO, V. O. O futuro da indústria da música no Brasil. São Paulo, 2012. 25 p. Dissertação (Mestrado em Administração) - Departamento de Administração: Fundação Getúlio Vargas.

KOTLER, P.; KELLER, K. Administração de marketing. 12. ed. São Paulo: Pearson, 2012.

KRETZER, Jucélio; TOYAMA, Miriam. Inovações tecnológicas e mecanismos de proteção aos direitos autorais na indústria fonográfica. Revista Brasileira de Inovação, [S.l.], v. 7, n. 1 jan/jun, p. 177-207, ago., 2008.

MARTINS, J. P. C. O mercado de música digital: um estudo sobre o comportamento do consumidor brasileiro perante o uso de música na internet. Porto Alegre, 2012. 15 p. Dissertação (Mestrado em Administração) - Departamento de Administração: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

OLHAR DIGITAL. Streaming está matando a pirataria no Brasil. Rio de Janeiro, 2015 Disponível em: . Acesso em: 7 de set. 2015.

PICCINO, E. Um breve histórico dos suportes sonoros analógicos. Revista Sonora. v.1, n. 2 p. 1-25, 2008.

RIAA. Deep Dive: RIAA’s mid-year revenue data. Washington, 2015 Disponível em: . Acesso em: 7 de out. 2015.

SCHEWE, Charles D.; MEREDITH, Geoffrey. Segmenting global markets by generational cohorts: determining

motivations by age. Journal of Consumer Behaviour, [s.l.], v. 4, n. 1, p.51-63, set. 2004.

SCHEWE, Charles D.; MEREDITH, Geoffrey; NOBLE, Stephanie M. Defining moments: segmenting by

cohorts. Marketing Management, Chicago, v. 9, n. 3, p. 48-53, Fall 2000.

SOLOMON, M. O comportamento do consumidor: comprando, possuindo, sendo. 10.ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

THE WALL STREET JOURNAL. For Taylor Swift, the future of music is a love story. Rio de Janeiro, 2014 Disponível em . Acesso em: 07 de set. 2015.

WEISS, M. J. To be about to be. American Demographics, [s.l], p.28-36, set. 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.22398/2525-2828.1339-57

A Revista está listada nos seguintes indexadores e repositórios:

LATINDEX: https://www.latindex.org

PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES: http://www.periodicos.capes.gov.br

DOAJ - https://goo.gl/f862GM

Diadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras - http://diadorim.ibict.br/handle/1/1649

Sumarios.org - https://goo.gl/AJe9GY

LatinREV - Rede Latinoamericana de revistas acadêmicas do campo das ciências sociais e humanidades - http://flacso.org.ar/latinrev/ 

REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico) - https://www.redib.org/

____________

ESPM Rio
Rua do Rosário 90 - Centro - Rio de Janeiro - 20.041-002 - RJ
revistadcec-rj@espm.br
ISSN 2525-2828 

 

Licença Creative Commons

A Diálogo com a Economia Criativa está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.