Definição de requisitos não funcionais em projetos da economia criativa

Gustavo Severo Dalla Costa, Danieli Maehler Nejeliski

Resumo


Este artigo tem por objetivo estudar a relação entre projetos da economia criativa e a definição de seus requisitos não funcionais, identificando características, obstáculos e possíveis soluções envolvidas neste processo. A pesquisa de referências indicou alta relevância da definição do escopo e de requisitos não funcionais para o sucesso de projetos da área. Estes requisitos são intangíveis, subjetivos e possuem processos de abstração ligados à criatividade e inovação, tornando-se fundamentais para a compreensão da abordagem em projetos da economia criativa. Problemas em projetos deste setor são apontados, como a dificuldade de realizar a coleta de requisitos e a incompreensão do que será realizado pelas partes envolvidas. A partir disso, expõe-se a necessidade de definir requisitos não funcionais mais precisos, consistentes e claros. Em uma análise empírica foram identificados dois conceitos importantes para a obtenção de sucesso: iteratividade e multissensorialidade. Estes conceitos são observados em algumas técnicas, tais como a de ondas sucessivas, método ágil e notadamente na prototipagem, responsável por responder aos principais desafios de requisitos em projetos criativos.

Texto completo:

PDF

Referências


CARKENORD, B. A. (2014). Three proven ways business analysts help prevent scope creep. Paper presented at PMI® Global Congress, North America, Phoenix, AZ. Newton Square, PA: Project Management Institute.

FERENHOF, H. A., SILVA, C. H. da; SELIG, P. M. (2012). Briefing e declaração de escopo em projetos de design: dois formatos e um só objetivo. Iberoamerican Journal of Project Management, v. 3, n. 1.

FILHO, A. M. S. (2016). Escopo de projeto não definido: erro de gestão - Sobre a lição de "Alice no País das Maravilhas". Revista Espaço Acadêmico, n. 178, mar., p. 1 a 7.

GALUK, M. B., ZEN, A. C., BITTENCOURT, B. A., MATTOS, G; MENEZES, D. C. de (2016). Innovation in creative economy micro-enterprises: a multiple case study. Rev. Adm. Mackenzie, v. 17, n. 5, São Paulo, set/out.

GIL, A. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

HOWKINS, J. (2001). The creative economy: how people make money from ideas. London: Penguin Press.

HUSSAIN, I., KOSSEIN, L., ORMANDJIEVA, O. (2008). Using Linguistic Knowledge to Classify Non-functional Requirements in SRS documents. In: Kapetanios E., Sugumaran V., Spiliopoulou M. (eds) Natural Language and Information Systems. NLDB 2008. Lecture Notes in Computer Science, v. 5039, Berlin, Heidelberg.

HSU, H. J. (2013). Factors affecting employee creativity in Taiwan’s Hakka clothing industry. Social Behavior and Personality: An International Journal, 41 (2), p. 271-282.

LARSON, E. W.; GOBELI, D. H. (1989). Significance of project management structure on development success. IEEE Transactions on Engineering Management, 36 (2), p. 119-125.

LARSON, R.; LARSON, E. (2009). Top five causes of scope creep ... and what to do about them. Paper presented at PMI® Global Congress 2009, Orlando. Newton Square, PA: Project Management Institute.

MARHOLD, C. et al. (2009). Clarifying Non-functional Requirements to Improve User Acceptance – Experience at Siemens. REFSQ ‘09 Proceedings of the 15th International Working Conference on Requirements Engineering: Foundation for Software Quality, jun 2009, Amsterdam, Netherlands, p. 139-146.

MIRZA M. N., POURZOLFAGHAR Z., SHAHNAZARI M. (2013). Significance of Scope in Project Success. Procedia Technology 9 (2013) p. 722-729.

OLIVEIRA, J. M., LARANJA, M., LAHORGUE, M. A.; BORN, H. F. (2016). Cross Innovation approach and the creative industries: a case study in the city of Lisbon, Portugal. International Journal of Innovation (IJI Journal), São Paulo, v.4, n. 1, pp. 01-12, jan/jun.

ORLANDO, D. (2013). Scope and stakeholder management: pain points, perils, and prosperity. Paper presented at PMI® Global Congress 2013, North America, New Orleans, LA. Newton Square, PA: Project Management Institute.

PMI (2013). A Guide to Project Management Body of Knowledge - PMBOK® Guide 5th ed. – EUA: Project Management Institute, 2013.

REED, A. (2014). Managing an Established Digital Humanities Project: Principles and Practices from the Twentieth Year of the William Blake Archive. Digital Humanities Quarterly, v. 8, n. 1, 2014.

SERAFIM, M. C., PINHEIRO, D., JARA, E., MELO, E. N. de, AGUIAR, B., BERNARDES, J. V., RONCONI, L.; SILVA, A. da (2013). Economia Criativa ou Indústria Criativa: Delimitação de um Conceito em Construção. In: VII Encontro da Economia Catarinense, APEC – Associação dos Pesquisadores em Economia Catarinense, Florianópolis/SC: UFSC.

SLIGER, M. (2010). Goodbye, scope creep—hello, agile!. Paper presented at PMI® Global Congress 2010, North America, Washington D.C. Newton Square, PA: Project Management Institute.

WATT, A. (2014). Project Management. BC Campus Open Textbook.

YAKOVLEVA, A. (2014). Methodological aspects of project techniques selection for innovation project management. Higher School of Economics Research, paper n. WP BRP 24/MAN/2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.22398/2525-2828.3910-21

A Revista está listada nos seguintes indexadores e repositórios:

PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES: http://www.periodicos.capes.gov.br/

DOAJ - https://goo.gl/f862GM

Diadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras - http://diadorim.ibict.br/handle/1/1649

Sumarios.org - https://goo.gl/AJe9GY

LatinREV - Rede Latinoamericana de revistas acadêmicas do campo das ciências sociais e humanidades - http://flacso.org.ar/latinrev/ 

REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico) - https://www.redib.org/

____________

ESPM Rio
Rua do Rosário 90 - Centro - Rio de Janeiro - 20.041-002 - RJ
revistadcec-rj@espm.br
ISSN 2525-2828 

 

Licença Creative Commons

A Diálogo com a Economia Criativa está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.